sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Ele é Judas, mas eu não sou Jesus



E um belo dia
uma pessoa que você não gosta diz: "Fulano disse isso , isso e isso sobre você".
Você descobre então que o seu "best friend", amigo de útero, truta, parceiro, broder, camarada, moral...Traiu sua bendita confiança. Seus segredos, seus planos, suas fraquezas, tudo nas mãos de um estranho, sim, porque se ele te traiu a impressão que você tem é a de que não o conhece.
E agora?
O que fazer?
Nós seres humanos, acabamos por criar um escudo entre nós e os demais. E o famoso "pé atrás" se torna frequente na nossa vida.
Primeira dica da fábrica de positividades: "Arrisque confiança nos outros". Ninguém pode (e se tiver alguém vive mal) viver sem confiar nas pessoas ao redor, você sente impotência, mas se virar pro mundo, por causa de uma ou duas experiências ruins?
Nada disso
Aquele velho ditado: "Eu sou eu, você é você"
Ninguém é igual
A graça ta nessa idéia
E só assim
Você vai poder curtir
e ver o mundo
com os seus
mas com outros olhos.

2 comentários:

Amanda Maron disse...

Sempre achei que arrisco demais.
Tá certo que quebro a cara quase sempre, mas adoro ser assim.
=)

Iana Carolina disse...

É que quase tudo é questão de arriscar. Daí a gente arrisca de acordo com a lógica ou de acordo com a emoção ou de acordo com qualquer outra coisa.

Arriscar.
Palavra esquisita.
Ar
ri
isca
ar

É bom, apesar de tudo mesmo.
Só assim que se petisca e se liberta.

Beijos, babe.
s2

◇ É passado, mas não esquecido